Fisiologia Vegetal: Resumo

fisiologia vegetal resumo fisiologia das plantas


Assunto: Fisiologia Vegetal
Tópicos: fotossíntese, hormônios vegetais, movimentos vegetais. 

A fisiologia vegetal estuda os processos orgânicos que ocorrem nas plantas, nas algas e em algumas bactérias e protistas, como a fotossíntese, os hormônios e os movimentos vegetais.

Fotossíntese



A fotossíntese é o processo que consiste na conversão de gás carbônico e água em oxigênio e açúcares, sendo, portanto, de extrema importância para a manutenção de oxigênio e gás carbônico na Terra. Além disso, as substâncias orgânicas sintetizadas ao longo do processo serão aproveitadas tanto pelos seres autótrofos, como pelos heterótrofos. 

A fotossíntese divide-se em duas fases (fase clara e a fase escura) e depende da disponibilidade de recursos (gás carbônico e água), além de depender também da temperatura e da luminosidade. Se quiser saber mais sobre a fotossíntese, leia o resumo sobre esse assunto clicando aqui.

Hormônios Vegetais


Os hormônios vegetais são substâncias que, muitas vezes, são produzidas em pequenas quantidades em determinadas regiões da planta e que mais tarde são transportadas para outros locais. Eles têm função de regular o metabolismo da planta. Alguns exemplos de hormônios vegetais são as auxinas (os hormônios responsáveleis pelo crescimento).

No grupo das auxinas está o ácido indolilacético (AIA), que é produzido pelo meristema da planta (região responsável pelo crescimento). O AIA é inativado pela luz e também é caracterizado por ter um deslocamento polarizado, ou seja:ele sai do ápice meristemático (onde é produzido) e vai em direção às regiões que deverão se desenvolver. 

Dependendo da concentração de AIA, ele pode inibir ou promover o crescimento do vegetal. Em caules, por exemplo, a taxa de AIA sempre será maior do que a encontrada nas raízes, pois estas necessitam de pouco hormônio para seu desenvolvimento total. 


Movimentos Vegetais


São movimentos feitos pelas plantas devido a algum agente externo. Tropismo, tactismo e nastismo são alguns exemplos de movimentos vegetais. 

O tropismo é um movimento de curvatura que o vegetal sofre sob ação de um agente excitante e os movimentos são dependentes da ação das auxinas. Ele pode ser tropismo positivo (se a curvatura ocorre em relação ao agente excitante) ou tropismo negativo (quando a planta "se afasta" do agente).

O fototropismo é um tipo de tropismo que ocorre quando o agente excitante é a luz. Os caules têm fototropismo positivo, pois quando uma de suas porções é iluminada, o AIA ali presente é eliminado e apenas as outras porções (no escuro) irão crescer e farão a curvatura para o agente luminoso. Já as raízes, diz-se que têm fototropismo negativo, pois a porção que é iluminada é que cresce e a curvatura ocorre em oposição à luz.  

Na imagem abaixo, nós temos um exemplo de fototropismo. A planta cresce em direção ao lado mais luminoso do ambiente (para mais perto da janela), tratando-se, portanto, de um movimento vegetal. 

fototropismo fisiologia vegetal resumo


Já o tactismo é um movimento de deslocamento feito por algumas algas, briófitas e pteridófitas. Este é o caso das euglenas, que se deslocam na água em direção à luz. Nas briófitas e pteridófitas, os anterozoides se deslocam em direção à oosfera.

O nastismo é um movimento não-orientado de uma planta. Ele dependerá da direção ou origem do agente excitante. O fotonastismo ocorre nas damas-da-noite quando suas pétalas ficam voltadas para cima durante o dia e para baixo ao escurecer. O tigmonastismo ocorre nas plantas carnívoras (como a drósera) que, quando em contato com um inseto, o confinam no corpo vegetal e liberam substâncias digestivas.

Há também o sismonastismo, que ocorre nas flores mimosas (como a Calliandra brevipes, conhecida como "esponjinha" ou "quebra-foice") ou dormideiras. Estas, quando tocadas, perdem água rapidamente e os folíolos se "fecham". 
Próximo
« Prev Post
Anterior
Next Post »