Reino Vegetal: Gimnospermas (resumo)

gimnospermas resumo características ciclo de vida reprodução estrutura exemplos


Assunto: Reino Vegetal
Tópicos: Gimnospermas (resumo, exemplos, classificação, reprodução).

No resumo anterior (clique aqui para ler) nós estudamos as Pteridófitas. Agora nós vamos continuar o nosso estudo sobre o Reino Vegetal estudando as plantas Gimnospermas.

Gimnospermas: o que são?



As gimnospermas são plantas fanerógamas (com estróbilo desenvolvido), vasculares e talófitas. Vivem preferencialmente em ambientes frios ou temperados e têm sementes (mas não têm frutos). Essas sementes não têm nenhuma estrutura de proteção e daí vem o nome do grupo (gimnosperma significa semente nua). 

As folhas dessas plantas podem ser simples (acículas) ou compostas (pinadas). As plantas gimnospermas podem ser dioicas (quando existem plantas "masculinas" e plantas "femininas") ou monoicas (quando a mesma planta tem estruturas masculinas e femininas).



Classificação das Gimnospermas


As plantas gimnospermas podem ser classificadas em:

Divisão Pinophyta (ou coníferas): esta é a divisão com maior número de plantas, desde plantas ornamentais (como o Cupressus) até o Pinus e a Araucaria angustifolia (a árvore que tem pinhões)  As gigantes sequoias, que são muito comuns na América do Norte, também pertencem a essa divisão. 

Divisão Cycadophyta: é muito utilizado para ornamentar ambientes e não é raro encontrar exemplares em frente a comércios, condomínios e prédios. O gênero mais conhecido é o Cycas.

Divisão Gnetophyta: dessa divisão, a única espécie nativa do Brasil é a Ephedra tweediana. Outro representante do grupo é Welwitschia mirabilis, conhecida como "polvo-do-deserto" justamente por ter um aspecto bastante peculiar (aparece apenas na Angola e nos desertos do Sul da África).

Divisão Ginkgophyta: possui uma única espécie (Ginkgo biloba) que é considerada um fóssil vivo . Muito utilizada na medicina.

Reprodução das Gimnospermas


Os Estróbilos Masculinos

As gimnospermas possuem ramos reprodutivos (chamados de estróbilos) com folhas modificadas que produzem esporos. Os cones (ou estróbilos) masculinos se formam quando a planta atinge a maturidade sexual. 

Cada estróbilo possui um eixo central que porta várias folhas modificadas (os microsporófilos). Nestes se encontram os microsporângios que produzirão esporos (os micrósporos). Cada microsporângio porta células diploides (2n) chamadas células-mãe de micrósporos. Quando a célula-mãe sofre meiose, são produzidos quatro micrósporos haploides (n). Os núcleos dos micrósporos sofrem mitose e cada um deles se divide em um núcleo reprodutivo e um núcleo vegetativo. Quando ocorre esta divisão, o micrósporo é chamado grão de pólen

Os Estróbilos Femininos

O estróbilo feminino também é dotado de folhas modificadas, neste caso, chamadas megasporófilos. Estes portam os megasporângios (óvulos) que produzirão megásporos. Em cada megasporângio, uma célula-mãe de megásporo faz meiose e origina quatro células haploides (n). Destas quatro, três são degeneradas e uma, apenas, germina formando o gametófito feminino (saco embrionário). No gametófito são formados arquegônios, que produzem os gametas femininos (oosferas). 

A Reprodução

Quando produzidos e maturados, os grãos de pólen são levados pelo vento e podem chegar aos estróbilos femininos;

O pólen chega a um óvulo (megasporângio),  iniciando, assim, o processo de germinação. A germinação ocorre com o pólen emitindo um tubo polínico (este é o gametófito masculino);

O óvulo é revestido por um tecido chamado tegumento e possui uma abertura (chamada de micrópila). É nela que o tubo polínico penetra enquanto cresce, chegando ao arquegônio;

Dentro do tubo polínico, o núcleo reprodutivo sofre mitose e forma dois núcleos (chamados de espermáticos);

Apenas um dos núcleos espermáticos se torna viável e ele fecunda a oosfera, gerando um zigoto (2n).

O zigoto se desenvolve e forma o embrião;

O óvulo inicia um processo para formar a semente, que abrigará o embrião e um tecido para nutri-lo (o endosperma);

Em condições favoráveis, o embrião se desenvolve e matura, formando uma nova planta (que será o esporófito). Como no início do ciclo, o esporófito forma os microsporângios e megasporângios para produzir micrósporos e megásporos novamente.


gimnospermas reprodução resumo exemplos estrutura
Reprodução nas Gimnospermas



Próximo
« Prev Post
Anterior
Next Post »