Reino Monera: resumo de Biologia (1)

reino monera características resumo



Assunto: Reino Monera (parte 1)
Tópicos: características gerais, metabolismo e alimentação, formas, estrutura celular, bactérias Gram Negativas e Posivitas



Quem faz parte do Reino Monera?


O Reino Monera agrupa todas os seres simples, unicelulares e procariontes, com até 2 micrômetros de diâmetro e de 2 até 8 micrômetros de comprimento (1 micrômetro = 0,001 mm). São as bactérias e as algas azuis (ou cianofíceas ou cianobactérias). São encontradas em quaisquer ambientes da biosfera, como o terrestre (em solos, rochas, geleiras, plantas e animais) e o aquático, (no caso das cianofíceas, em água doce ou salgada). 


Metabolismo e Alimentação das Bactérias


O metabolismo do Reino Monera é muito diverso. As bactérias podem ser tanto autótrofas (aquelas capazes de produzir o próprio alimento) como heterotróficas (aquelas que não podem produzir seu próprio alimento). 

As autótrofas, menos comuns, podem realizar fotossíntese através do pigmento exclusivo chamado bacteriofila, em que utilizam 2H2S, CO2 e energia luminosa para produzir CH2O, enxofre e água. As autótrofas também podem realizar quimiossíntese, que é a transformação de compostos inorgânicos e O2 em compostos orgânicos e O2. É o caso das ferrobactérias e das bactérias nitrificantes. Estas últimas são demasiado importantes na fixação de nitrogênio, sendo encontradas no solo ou nas plantas. Quando associadas às plantas, as bactérias nitrificantes além de produzir compostos orgânicos para si, também produzem nitratos que são utilizados pelas plantas na produção de aminoácidos.

As heterotróficas podem agir como parasitas. Nesse caso, essas bactérias dependem de outros seres para sobreviverem e ao mesmo tempo podem prejudicá-los, podendo causar uma série de doenças. As bactérias heterotróficas podem ser decompositoras (ou saprófitas), sendo responsável pela decomposição orgânica e também podem ser simbiontes, vivendo o mutualismo ("parceria") junto a outros seres vivos (exemplo: as bactérias do trato digestório dos ruminantes são um exemplo das simbiontes, pois são elas que fazem a quebra da celulose ingerida na alimentação desses animais).

Formas das Bactérias


formas bactéria coco bacilo espirilo


As bactérias podem ter formas e arranjos variados. Em relação à forma, podemos elas podem ter a forma de cocos (esféricos), bacilos (forma de bastão) e espirais

Os cocos podem ser encontrados em diplococos e estreptococos (quando se divide em um plano); em tétrade (dois planos); sarcinas (três planos) e estafilococos (em múltiplos planos). Já os bacilos podem ser encontrados isolados, ou então em número de dois (diplobacilos), ou então em número variado (estreptobacilos) ou ainda em arranjo semelhante aos cocos (cocobacilos). 

As bactérias que são encurvadas são chamadas vibriões. Quando parecem um sacarrolhas e são rígidas são os espirilos, e quando há um grupo destes formando uma longa e flexível espiral são as chamadas espiroquetas.  

Estrutura Celular


formas bactéria estrutura celular


Bactérias e cianofíceas possuem uma estrutura relativamente simples por serem procariontes. Também não possuem organelas com membrana (como mitocôndrias ou cloroplastos) e seus pigmentos fotossintetizantes (presentes nas cianofíceas e raramente nas bactérias) estão dissolvidos no citoplasma. 

Importante: ambas possuem uma  estrutura que lhes confere resistência e proteção: é a chamada parede celular. Esta parede envolve a fina membrana plasmática da célula, prevenindo-a contra a ruptura das células e mantendo a sua forma. 

Externamente à parede, encontra-se o glicocálice, que é um polímero gelatinoso composto por polissacarídeos e polipeptídeos. Quando o glicocálice está organizado e fortemente aderido à célula, ele é chamado cápsula; quando não é o caso, ele é chamado de camada viscosa. Também pode-se encontrar apêndices como os flagelos, muito longos e filamentosos que auxiliam na locomoção. As espiroquetas, um grupo especial de bactérias, possuem um tipo de apêndice de locomoção exclusivo: os filamentos axiais. São feixes de fibrilas que se organizam em espiral ao redor da célula.

Outros grupos de células também podem possuir apêndices especializados em transferência de material genético, além de locomoção e suporte. É o caso das fimbrias, que podem ocorrer nos polos ou ao longo de toda a célula. Elas aderem umas às outras em determinadas superfícies e formam um biofilme. E também é o caso dos pili (singulas: pilus), que são mais longos do que os anteriores e ocorrem de um a dois por célula, com mobilidade e transferência de DNA como principais funções. 

Bactérias Gram Negativas, Gram Positivas e a parede celular


Para identificar os tipos bacterianos e suas estruturas, existe uma série de métodos de coloração que são aplicados dependendo do caso. Há a coloração simples, que cora toda a célula sendo possível visualizar tamanho, forma e arranjo. E há a coloração composta, que são: coloração de Gram, coloração de bactérias álcool-resistentes e coloração especial para endósporo e cápsula.

A coloração de Gram é bastante importante pois após a aplicação de uma série de substâncias em uma cultura de bactérias, é possível identificá-las e classificá-las em gram positivas (de coloração roxa) e gram negativas (de coloração rosa). As diferenças entre estes dois grupos estão na composição da parede celular. 

bactéria gram positiva negativa


Gram positivas: parede é composta por várias camadas de peptideoglicana, que conferem rigidez e a tornam muito espessa. Também é composta por ácidos teicoicos (álcool + fosfato), que atuam no movimento de íos entre a célula e o meio exterior, impedem ruptura e lise celular e também  conferem especificidade antigênica, contribuindo na identificação destes tipos bacterianos.

Gram negativas: possui apenas uma camada fina de peptideoglicana e uma membrana externa. Essa membrana é composta por lipopolissacarídeos (LPS), lipoproteínas e fosfolipídeos. Os LPS são uma mistura de lipídeos e carboidratos (contêm antígeno A, cerne polissacarídico e polissacarídeo O). A membrana externa é uma barreira contra antibióticos, enzimas digestivas, detergentes e corantes. Não possuem ácidos teicoicos.
Próximo
« Prev Post
Anterior
Next Post »